segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Árvore.

                                               

Braços abertos
Por certo
Para abraçar a infância...
 Uma árvore frondosa  no meu quintal.



Ah! a minha árvore...
Os  pés descalços
Para não escorregar,
Casca grossa do tronco para segurar
E o galho mais longo alcançar.



O céu tão perto!
Quisera  pegar uma nuvem ao passar



Vozes distantes vinham 
Misturavam-se ao canto dos passarinhos.
Encontrei um ninho!


Árvores e suas flores
Sombra de cores
Até hoje a me inspirar.


Feliz  Dia da árvore.
Lourdinha Vilela







  




sexta-feira, 21 de agosto de 2015

O pássaro


O  que estaria pensando o pássaro? Parece conjecturar sobre o próprio voo..
Para onde irá? . São tantos os caminhos, tantos  verdes, para pousar o suave desenho em várias dimensões do seu corpo leve, multicor.. 
Há um céu à sua espera, Hoje especialmente claro, sem relâmpago sem trovão. 
Vivendo de minúsculas partículas, de que lhe serve o mundo, senão...
para deleitar-se em sabores flores e grãos?
Predar e fugir dos predadores.
Nidificar  e  multiplicar uma nação.
 Conquistar com suas asas livres e abertas, o seu pendão.
.,Que a natureza  o faça sábio para fugir  das armadilhas, das queimadas, baladeiras e gaiolas, dos para-brisas dos carros na contramão.
Tens a liberdade de escolher seus horizontes, alçar seus voos altos, sem necessidade de pontes, escadas ou trampolins.
Voa pássaro!
 Mas volta para mim.
Quero registrar novamente seu pouso
E aprender de ti , a  felicidade 
 Simples assim.

Lourdinha Vilela.




  

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Algodão do Cerrado

Elas estão por toda parte nesse mês de agosto lá no quintal,  acredito que já trouxe  muitas fotos delas aqui, mas não me canso . Elas são tão lindas contrastando com a terra seca, sob o sol quente . Fico maravilhada com o brilho expressivo dessas flores (Algodão do Cerrado),















segunda-feira, 20 de julho de 2015

Nesse último final de semana nasceram alguns pintinhos lá no sítio, aliás  foram dez.



Olha aí o paizinho todo feliz!





 Esses Canários também estão fazendo ninho, logo teremos  mais alguns  enfeitando meu Ipê Amarelo





segunda-feira, 22 de junho de 2015


Pela janela do carro,
 Apressadamente, 
A Natureza passa e repassa 
Seu texto,
Não posso ler
Mas posso entende-la
E ama-la 
em
Seu contexto.













Fotos Lú Vilela

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Noturno



A natureza se apóia, consola
e se abraça mutuamente.
Em seu regaço, árvore mãe
abriga seus galhos(filhos).
Brisa e noite
adentram espaços inexplorados
em verde e negro mesclados
bailam braços entrelaçados.

Lourdinha Vilela
reeditando



terça-feira, 26 de maio de 2015

Eu e o vento



Na euforia do vento,
atrevo-me- transcender.
Quero juntar-me ao som
ao movimento,
quando envereda
túneis e alamedas
por entre a mata ciliar.

Soar, ressoar
Somado ao rumor do rio.

Transportar folhas,
flores e cores,
sementes,
à terra úmida
a esperar.


Peço desculpas por estar reeditando algumas  postagens. Estou cuidando de minha mãe, logo  estarei de volta.  bjs.

sábado, 9 de maio de 2015

Passarada




Me agarro  ao pé de uma árvore qualquer,
 se é que existe uma árvore qualquer,
 pois acho que não,
  toda árvore é mais que um pé.
é sintonia e sinfonia
é ausência de solidão,
esteja onde estiver.

E eu me escondo e me encontro
atrás de um pé de Jamelão.
  Pássaros que vêm e que vão
Alguém passou
 acelerado
pra assustar e afugentar.
Mas eu não!

Para a  alegria das formigas,
Eu ficaria por  uma tarde
encostada à árvore.
É que em mim está
essa fração de pássaro
quando penso em liberdade.

 Me alegra que se fartem
na festa das manhãs de sol
 quando  os meus olhos, 
enchem minha alma  de voos.



Lourdinha Vilela




domingo, 3 de maio de 2015

Agonia das Rosas


Imagem retirada da Internet.



Suaves movimentos
Saboreando o sol,
Rosa e botão
Namorando o vento.

Rosa, a menina,
 plantou
tanto amor por suas rosas
seu nome tomou

Sonho fecundo
transformar amor em adubo
e da terra esperar
o presente oriundo

Agora o momento!
tormento e vontade
Rosa querendo,
 o fruto do amor, rosa e botão.
Impulso do crime
paixão

Rosa e a tesoura
tesoura e a rosa
tesoura e botão
Rosa correndo
o presente nas mãos
sangue verde
verde emoção

E agora 
o vento e a roseira
como no adeus - Solidão...

Sobre a mesa da sala
vaso em cristal
água fria, fria,
alimento final

Rosa contempla
Sem movimento
Sem o brilho do sol
namoro do vento.

Dias de dor.
Ritual.
Pétalas caídas
botões ambíguos
Terminal.

Lá fora 
Rosa e a roseira
Terra, sol e vento
Espera e momento...

 Eis que surge um botão!
e da Natureza 
O perdão.

Lourdinha Vilela 


foto Lú

Muitas das minha queridas amigas seguidoras  conhecem esse poema, outras ainda não, resolvi então
trazê-lo  de volta.
Me recordo agora que foi um dos meus primeiro poemas, lá no    Expresso do Interior..
.
Eu particularmente gosto muito por que escrevi com muita emoção.
Beijos e um lindo e abençoado domingo .










.

domingo, 19 de abril de 2015

Fugaz



Com tanta pressa
 A nossa memória
Poderá ser apenas
um arquivo de vultos,
 ventos revoltos,
nada que um dia
 coube sentir e abraçar
É preciso voltar à calmaria!
sequestrar perfumes e cheiros
nuances,
 novelos inteiros
de fios-histórias
pra contar.  
 A paisagem da vida,
 absorver e observar.
Lentamente...

Lourdinha Vilela

Fotos- Eu 

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Sombra e renda


Há uma árvore
fazendo renda
de sombra
No chão.
Há um menino
E uma esperança
no alto-atalho da árvore,
uma visão,
seu pequeno mundo
ampliado agora
perto do céu
a imensidão.
Quem dera um pássaro
 emprestasse suas asas
 voaria o menino
 feito um falcão.
Por sobre as casas,
a linha do trem,
o rio, as matas,
por todo o Sertão,
Um vento mais forte
acordou o menino
do sonho sereno
brusco empurrão.
Voou curtinho, desequilibrado
de asas quebradas
sentimento humilhado
de volta à renda, da sombra da árvore
no chão.

Lourdinha  Vilela

Imagem - Brasilândia MG

Continuando com o tema, trouxe um poema que gosto muito, do blog - "Fala comigo doce como a chuva". da minha amiga Nádia Dantas. O blog é excelente e trás sempre obras de grandes autores.

PALAVRAS
Manoel de Barros.

Palavra dentro da qual estou há milhares de anos é árvore.
Pedra também.
Eu tenho  precedências para pedra.
Pássaros também.
Não posso ver nenhuma dessas palavras que eu não leve um susto.
Andarilho também.
Não posso ver a palavra andarilho
que eu não tenha vontade de dormir debaixo
 de uma árvore,
que eu não tenha vontade de olhar com espanto, de novo, aquele
homem do saco, a passar como um um rei de andrajos
nos arruados da minha aldeia.
E tem mais. as andorinhas pelo que eu sei,
consideram os andarilhos como árvore.


Não é lindo esse poema?
  


sábado, 28 de março de 2015

NINHO





Muitas possibilidades, muitas histórias,  caminhos  e questionamentos, desejos e sonhos.O que estaria  tão gritante nesse momento em  cada um de nós?


Árvores,  ninhos no mundo!
Até o último instante 
Oferecem  abrigo
às aves itinerantes.






























































terça-feira, 24 de março de 2015





Aldravias



outono
folhas
amareladas
ouro
dos
ventos



Lágrimas

Se é preciso chorar, chore,
mas não entregue suas lágrimas
a quem lhe fez chorar.
No outono 
as folhas caem uma a uma
e são tantas,
no entanto 
ninguém jamais parou
para contá-las



Lourdinha Vilela